sexta-feira, 7 de março de 2014

Francico de Assis Xavier - Assis Escrivão - Década de 60

 
Fatos que Fizeram a História de Esperança
 
                                 Assis Xavier (Assis Escrivão na Porta da Delegacia de Esperança. (esquina da rua Teotônio Tertuliano da Costa - ao lado do correio.)
 
                                Esperança, desde a época de sua emancipação política, teve diversos delegados de polícia e escrivãos, que eram nomeados pelo governo do Estado sem concurso público. Tive oportunidade de conhecer todos os delegados, do inicio da década 60 até os nossos dias.
                               
                                Entre os escrivãos que conheci, posso mencionar Francisco de Assis Xavier, filho único de uma família simples, natural do município de Alagoa Nova, filho de José Xavier, mais conhecido pela alcunha de Zé Preto e de Inácia Evaristo Xavier. Nascido no dia 20 de março de 1942. Completaria neste mês de março corrente, se estivesse vivo, 72 anos de idade.
 
                               Assis chegando a Esperança, na sua juventude, viveu as aventuras que todo jovem faz, participando de festas, bailes juninos, carnavais e, principalmente, festa da padroeira. No percurso de sua juventude, conseguiu o emprego estadual para trabalhar na Delegacia de Esperança, no mês de junho do ano de 1961.  Ser escrivão de Polícia foi a sua missão até a sua morte. Ficou conhecido pela população inteira como "Assis Escrivão".
 
                               Na sua época, década de 60, todas as atividades como escrivão eram realizadas na velha máquina de escrever da delegacia, maquina essa que já vinha de outras décadas. Durante a minha labuta como advogado, por diversas vezes, cheguei à Delegacia para solicitar documentos de pessoas interessadas. O documento só podia ser expedido dois ou três dias depois, por que a máquina estava com defeito.
 
                              No ano de 1963, casou com Dona Elizete Enéas Câmara Xavier. Daí, passou a constituir família. Da união matrimonial surgiram quatro filhos: Onassis Matias Xavier, graduado em Educação Física, Assinete Matias Xavier, formada em contabilidade, Assirlene de Fátima Xavier, graduada em Psicologia, com mestrado e doutorado, e, Emanuel Onias Xavier, graduado em Hisória. De toda a família nasceram 07 (sete) netos e 02 (dois) bisnetos. Assis fechou os olhos, para sempre, no dia 15 de fevereiro de 2000.
 
                                                 

3 comentários:

  1. Caro João Batista, fiquei bastante emocionado com o resumo da história de vida de meu pai, que vivi pouco tempo em sua companhia, porem foram momentos de extrema importância para minha formação intelectual e moral, tenho muito orgulho de ser seu filho. Obrigado por ter lembrado e prestado essa homenagem.

    ResponderExcluir
  2. lembro muito bem dessa delegacia foi ai que tirei meus documentos de bom atencendente para vim para o rio de janeiro em 1984 saudades

    ResponderExcluir